Sono de Qualidade

Dicas para se ter um sono de qualidade:

1. Evite café, chás (principalmente preto e mate, que contêm cafeina) e refrigerantes derivados de cola, pois são estimulantes;

2. Evite dormir com a televisão ligada, pois isso impede que você chegue a fase de sono profundo, quando o hormônio do crescimento atinge o seu ápice de liberação;

3. Mantenha seu quarto sempre arejado e com boa circulação de ar. Quando for se deitar, certifique-se de que está bem escuro;

4. Invista em um bom colchão, adequado ao seu peso e altura, em travesseiros confortáveis e em lençóis macios, de fibra natural, que permitem a transpiração; 

5. Procure ir se deitar sempre no mesmo horário, para criar uma rotina saudável

Parece incrivel, mas 16 a 40% da população mundial sofre algum disturbio de sono.
Pessoas que dormem menos que o necessário tem menos vigor físico e envelhecem precocemente, e são mais propensas às infecções e desenvolvem doenças, como obesidade, diabetes e hipertensão arterial.

Mais dicas sobre o sono segundo o Dr. Lair Ribeiro:

Ninguém é obrigado a dormir oito horas por dia. Cada um tem sua necessidade de sono: uns dormem mais e outros, menos. Essa variação também tem a ver com sexo, idade e posição social.

Por exemplo:
adultos precisam, em media, de sete a oito horas de sono diárias;
crianças, de nove a onze;
e bebês, de 16 horas ou mais de sono ao longo do dia.

A maioria das pessoas não conhece sua necessidade de sono nem sabe o quanto é importante respeitar essa necessidade.

A privação do sono, a longo prazo, pode comprometer seriamente a saude, pois algumas das funções mais vitais do organismo só acontecem enquanto estamos dormindo, como a produção do GH (hormônio do crescimento), cujo nível mais alto de produção acontece durante o sono profundo. O GH ajuda a manter o tônus muscular, evita o acumulo de gordura, melhora o desempenho físico, estimula o sistema imunológico e combate a osteoporose.

Em suma, dormir ajuda a emagrecer e a rejuvenescer!

Outro hormônio que entra em ação durante o sono profundo é a melatonina, produzida pela glândula pineal.

Primeiro, ela dá uma sensação de sonolência; depois, reduz os ritmos cardiaco e respiratório, relaxa a musculatura e baixa a temperatura corporal. Então, a liberação do GH e da leptina (hormônio responsável por controlar a sensação de saciedade) atingem seu ápice, e o cortisol, que induz ao sono profundo, começa a ser liberado até o Início da manhã, quando atinge o seu pico.

Dormir menos que o necessário pode causar diabetes: com a falta de sono, a insulina (hormônio que retira o açúcar do sangue) deixa de ser produzida adequadamente pelo pâncreas e, ao mesmo tempo, a liberação de cortisol, que tem ação contrária à da insulina e é relacionado ao estresse, aumenta.

A curto prazo, dormir menos que o necessário pode provocar cansaço, sonolência durante o dia, irritabilidade, alterações repentinas de humor, comprometimento da criatividade, redução da capacidade de planear e executar, lentidão do raciocinio, falta de atenção e dificuldade de concentração etc.

Se o desequilibrio continuar, o quadro tende a se agravar e a pessoa pode entrar em um processo de perda do vigor físico, envelhecimento precoce, diminuição do tônus muscular e comprometimento do sistema imunológico, que levam a doenças, como obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares e gastrointestinais e perda crônica da memória.

INIS - Instituto Nacional de Investigação em Saúde

  • Endereço: Rua Amílcar Cabral 96, Maianga - Luanda Angola
  • Email: geral@inis.ao  inis.minsa@gmail.com
  • Telf.: 222393247 / 222395881 / 222330751
  • Fax: 392911

SIGA-NOS

    

© 2020 INIS - Instituto Nacional de Investigação em Saúde
Desenvolvido pela AngoWeb

Pesquisa